.As tatuagens de Biel.

FullSizeRender_3 (1)

Biel Carpenter é um velho conhecido desse site. O paulista formado em Gravura pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná, manda notícias direto de Berlim, conta sobre a viagem e seu mais novo ofício: o de tatuador.

Conte um pouco sobre essa estadia em Berlim. 
Vim primeiramente pra participar de uma feira chamada Berliner Liste, durante a Berlin Art Week que aconteceu em agosto. A galeria que me representava (não representa mais, estou sem galeria \o/) trouxe alguns trabalhos do Brasil e também produzi trabalhos inéditos aqui pra feira.
FullSizeRender_1 FullSizeRender_2

Era pra ser uma viagem rápida mas no fim das contas fazem 2 meses que estou aqui e volto no fim deste mês pro Brasil, 3 meses no total. Durante esse tempo além de tatuar eu fiquei trabalhando no studio, produzi vários desenhos com guache e aquarela.

Além de gravura e pintura, você começou a tatuar. Como isso começou? 
Meu lance com tatuagem começou há uns 2 anos, talvez, é recente. Eu sempre tive amigos tatuadores e demorei a comprar minha máquina. Sempre tive curiosidade. Em tudo quanto é canto tem muito tatuador, já que resolvi tatuar decidi me impor alguns limites e tentar fazer um trabalho um pouco mais autoral, se é que existe isso ainda.
unnamed

unnamed-1

Você considera a tatuagem uma linguagem muito diferente do seu trabalho com artes plásticas?
Eu decidi trabalhar só com tinta preta e meu desenho é bem simples, duro, não uso sombra, por exemplo. É claro que eu trago referências do meu trabalho de pintura e desenho pra tatuagem, mas percebo que é preciso ter um certo cuidado, não é tudo que fica bonito na pele, por mais que seja um bom trabalho de pintura ou desenho, ele precisa ser adaptado pra que funcione na pele de alguém.
Essa nova faceta já te rendeu alguma história? 
Ainda estou aprendendo sobre o que funciona e não funciona. Tatuar é uma tarefa bem difícil, na verdade é mais cirurgia do que desenho. E aprender os detalhes, como tudo funciona é uma tarefa que leva tempo… Eu fiquei feliz com o resultado de uma tatuagem, que adaptei de um desenho meu.
Alguns dias depois que eu tatuei apareceu uma menina que fez a mesma tatuagem, no mesmo lugar, com outro tatuador. Eu fiquei até lisonjeado, e estou aprendendo que isso meio que acontece nesse meio.
Por: Fernanda Agostinho